Salvador Sobral :: ''Paris, Lisboa'' chega às lojas em vinil

Paris, Lisboa, o mais recente disco de Salvador Sobral é um notável conjunto de canções que confirmam o cantor e letrista como uma voz maior ─ pelas opções musicais e estéticas; pelo cuidado na escolha das letras e nas colaborações; e sobretudo pela capacidade e enorme fôlego, com que se dá às canções. É por isso que as novas canções de Salvador Sobral já são nossas. Chegam com a Primavera, ficam no coração.

Editado a 29 de Março em Portugal com o selo da Valentim de Carvalho e no resto do mundo sob a chancela da Warner Music Spain, chega agora às lojas em vinil, depois de ter liderado a tabela de vendas no formato CD e digital. 

PARIS, LISBOA começa com uma catarse, uma espécie de canto de libertação do que vivemos e queremos deixar livre no tempo passado. No fim, a celebração da vida e do amor de quem troca as voltas ao fado e abre o coração ao amor, quebra regras e rotinas, e goza a vida de forma alegre e esfuziante. E generosa, ao abraçar a canção de Francisca Cortesão e Afonso Cabral, em jeito de bónus.

Ao longo do disco, Salvador Sobral consolida a sua visão de música e mundo. O jazz é a sua linguagem de base, em permanente experimentação com a pop ou a música tradicional (da contaminação do cante em "Mano a Mano" ao uso do Rajão, um dos tradicionais cordofones madeirenses ou aos tambores, em "Anda Estragar-me os Planos", ou aos ecos dos bombos de Lavacolhos em "Playing with the wind") ou até com a música clássica.

Ao ecletismo das letras do próprio, de Fernando Pessoa, Maria do Rosário Pereira, entre outros, Salvador Sobral acrescenta uma narrativa musical dinâmica e eclética, capaz de ser comovente ou entusiasmante, com as marcas idiossincráticas da sua interpretação, a autenticidade com que partilha o microfone com a irmã Luísa Sobral ou com António Zambujo, ou se entrega ao murmurar de "La Souffleuse"...

PARIS, LISBOA é uma viagem pelos sentidos, sem tempo, princípio ou fim. Uma celebração de vida. Viajar é preciso.

Publicidade