KING KONG Um drama sonoro para reconduzir o olhar na Pasteleira - Porto 12 e 13 out, 17h

Desenvolvido durante seis meses no Bairro Social da Pasteleira, "King Kong" é a nova criação do Teatro do Frio (TdF) que se inspira na arquitetura das selvas e das cidades e na relação entre homem e paisagem. Com o foco na Pasteleira, um dos três eixos do programa Cultura em Expansão/CMP, o TdF e os artistas convidados exploraram o território a partir do botânico.

Com estreia absoluta marcada para os dias 12 e 13 de outubro, o público é convidado a participar em "King Kong", um espetáculo com instalações audiovisuais, colocando em diálogo fenómenos do território, da antropologia visual, da arte sonora e da performance.

Cruzando escritas originais dramatúrgicas, sonoras e visuais, foi construído um percurso com início na Associação de Moradores do Bairro da Pasteleira, onde o público será conduzido pelos intérpretes e ambientes audiovisuais entre a Torre 44 e os espaços públicos envolventes. São mais de 20 colunas alimentadas por painéis solares que podem ser ativadas pelo movimento do público, sons orgânicos que resultam da arquitetura do espaço, projeções de vídeos e de fotografias do bairro e mapeamentos do Google Maps que desenlaçam este drama sonoro.

"King Kong" é um convite a estar e observar criticamente o lugar - a partir de um bairro que se encontra num epicentro verde da cidade do Porto - para a forma como habitamos o mundo. Atualmente referenciado como um palco de medo, na Pasteleira "King Kong" pretende questionar as noções de pertença, hábito e deslocalização.

Com estreia dia 12 e 13 de outubro às 17h, "King Kong" é um espetáculo para maiores de seis anos, com entrada livre mas sujeita à lotação do espaço.

Publicidade