John Coltrane :: Álbum inédito chega às lojas a 27 de setembro

Em 1964, John Coltrane e o seu Classic Quartet entraram nos Van Gelder Studios e, num gesto inédito para Coltrane, gravaram novas versões de algumas das suas obras mais célebres. Esta gravação nunca antes ouvida, "Blue World", será lançada a 27 de setembro em CD, vinil e formato digital.

Pré-venda de "Blue World" com o tema título disponível aqui: https://Verve.lnk.to/BlueWorld

Veja o vídeo que acompanha o tema "Blue World": https://Verve.lnk.to/BlueWorldVideo

No início de 1964, ano em que gravou "A Love Supreme", Coltrane foi abordado pelo cineasta canadiano Gilles Groulx. Groulx estava a planear o seu filme "Le chat dans le sac", uma história de amor que se passa em Montreal e que toma contornos políticos. Um grande fã de Coltrane, Groulx estava "obcecado" em ter Coltrane na banda sonora do seu filme. Groulx abordou Coltrane através do contrabaixista Jimmy Garrison e, surpreendentemente, Coltrane acedeu ao pedido.

Entre as gravações de "Crescent" e de "A Love Supreme", em junho de 1964, John Coltrane levou Jimmy Garrison, Elvin Jones e McCoy Tyner até aos Van Gelder Studios para fazer algo sem precedentes no mundo de Coltrane: revisitar e gravar as suas primeiras obras.

Gilles Groulx estava no estúdio, acompanhando as sessões, ouvindo. Não é claro qual o input criativo que o cineasta teve e quantas conversas se desenrolaram entre ele e Coltrane, que produziram este tipo de sessão tão rara. Gravada em fita analógica mono de 1/4", a sessão foi misturada por Rudy Van Gelder nos Van Gelder Studios a 24 de junho de 1964. Groulx levou o master para o Canadá para usá-lo no seu filme, embora só tenha utilizado dez dos 37 minutos desta gravação minuciosa.

"Blue World" foi masterizado a partir das fitas analógicas originais por Kevin Reeves no Universal Music Mastering em Nova Iorque.

"Blue World" revela o progresso pessoal de Coltrane, bem como a consistência interativa e os detalhes sonoros que o Classic Quartet afirmou como a sua assinatura sonora em 1964. Esta assinatura era tão segura quanto dramática, tão viva e diferente da sonoridade que Coltrane tinha revelado até então. E é significativo que esta sessão de gravação - independentemente do seu objetivo inicial - tenha acontecido entre dois dos discos de Coltrane mais expansivos e espiritualmente transcendentes, que acabaram por distinguir o resto da sua carreira musical.

"Blue World" sucede-se ao sucesso mundial, no ano passado, de "Both Directions at Once: The Lost Album", álbum de estúdio gravado em 1963 que revelou novas composições de Coltrane e do seu Classic Quartet no seu pico. "Both Directions" entrou diretamente para o n.º 21 do top 200 da Billboard, a sua melhor entrada neste top. O disco rapidamente liderou as tabelas de jazzem todo o mundo e colocou Coltrane no top 20 dos mais vendidos no Reino Unido, Alemanha, Japão, Áustria, Itália, entre outros países. Até ao momento, "Both Directions" já vendeu mais de um quarto de um milhão de álbuns em todo o mundo.

Universal Music

Publicidade