Entrevista com Picas

21-02-2024

Tatuagens, é o mais recente single de Picas. O tema que sucede ao single de verão Nos Meus Lençóis foi escrito e composto pela artista, distinguindo-se pela sua sonoridade indie pop.

Tatuagens é o primeiro avanço de uma trilogia que conta uma mesma história de amor. A roupagem indie pop da canção explora a combinação de um universo acústico e eletrónico, resultando numa atmosfera nostálgica e enigmática.

Picas tem prometido para breve o lançamento dos dois temas que completam o enredo. Até ao fim do ano deverá ser editado o primeiro álbum de originais de uma artista distinta no panorama pop português.


Picas, quando é que a música entrou na tua vida?

Eu acho que a música sempre fez parte da minha vida. Acho não, tenho a certeza. Já quando era criança ficava muito fascinada com a música. Por isso eu sempre tive essa, podemos dizer, predisposição. A primeira memória que eu tenho é com música. Os meus pais foram viajar para o Brasil, eles levaram-me, eu era bem pequenina e a primeira memória que eu tenho é de ouvir uma menina a cantar no Brasil. Lembro-me de quando era pequenina de ficar horas sozinha em casa a meter os CDs dos meus pais a tocar e a ouvir e já assim em pequena a perceber o que é que eu gostava e o que é que eu não gostava e a dizer à minha mãe quais é que eram os discos dela que eu gostava e quais é que eu não gostava. E então já tinha essa predisposição de gostar muito de ouvir música, de ser uma coisa que me fascinava, que eu ficava ali horas a ver e que tinha muito interesse.

Segundo sei, gostas mesmo é de escrever canções e fizeste na pós-graduação em storytelling. Fala-me desse teu outro lado de artista.

Sim, então, eu só comecei, porque, aqui até é um bocado no seguimento da outra pergunta também, eu só comecei a estudar música muito tarde, na minha família ninguém toca nada, ninguém é nada musical. E eu fiz ginástica de alta competição, então também não tinha tempo para estudar música. Só fui estudar música na faculdade. Aquilo que eu realmente desenvolvi mais ao longo da minha vida é que eu sempre adorei escrever. O português sempre foi a minha disciplina favorita e eu adorava escrever. E quando eu comecei a meter-me mais na questão da música, foi porque queria contar histórias. Os artistas que eu ouvia mais eram pessoas que eu sentia que contavam histórias muito bonitas através da música. E então eu sentia que queria fazer isso. E só peguei numa guitarra pela primeira vez já com aquela coisa de que queria escrever. Sempre fui aquela miúda que andava com o diário atrás, a escrever tudo, que inventava histórias, que realmente gostava muito de escrever e foi por isso que fui para a Ciências da Comunicação, porque achava que queria ser jornalista. Depois percebi que não, que não queria ser jornalista. Fui estudar música ao mesmo tempo, quando estava em Ciências da Comunicação, estava a fazer o curso de Jazz no Hot Club e depois decidi, passado uns tempos, ir fazer então a pós-graduação em Storytelling, para mim, é aquilo que une tanto aquilo que eu estudei na comunicação, como o universo da música.

O teu novo single "Tatuagens" foi composto à guitarra, geralmente é assim que começas as tuas composições?

Depende um bocadinho. Eu tenho um método que varia muito. Eu normalmente, quando começo a compor, gosto de compor sozinha. Porque é uma coisa muito íntima para mim e eu sempre que escrevo, escrevo sobre temas muito pessoais, ou seja, vou mesmo a sítios... é quase um processo de terapia e então às vezes parece que não consigo chegar a esse sítio se não estiver sozinha. Então, muitas vezes eu gosto de estar a compor mais sozinha, pode ser tanto à guitarra como ao piano, mas às vezes também acontece ser numa situação em que não estou com nenhum instrumento à mão e escrevo simplesmente umas notas no telemóvel e gravo num dictafone. Eu tenho um trabalho que é fora da música e muitas vezes dá-me uma ideia a meio do trabalho, tenho que ir para a casa de banho gravar as escondidas no dictafone, porque as ideias aparecem às vezes nos momentos mais estranhos e a inspiração pode aparecer de coisas mesmo do quotidiano.

Tens um novo single, chama-se Tatuagens. Gostas de tatuagens. Tens alguma?

Eu gosto muito de tatuagens. Eu acho muito bonito corpos tatuados. Gosto muito. Acho muito giro essas histórias que as pessoas tatuam no seu corpo. Acho muito giro essa ideia de que o corpo é quase como uma tela e as pessoas escolhem o que desenham lá. Eu tenho duas tatuagens só. Só não tenho mais porque sou um bocadinho mariquinhas. Mas eu acho super bonito e gostava de fazer mais, mas ainda não fiz mais.

Quem trabalhou contigo neste novo single?

Este single quem produziu foi o John, que é a pessoa que está a trabalhar o meu disco neste momento, na verdade. Nós começámos a trabalhar há cerca de dois anos juntos, e na verdade, passado um ano de trabalharmos juntos, namoramos agora. Conhecemo-nos a trabalhar e agora estamos juntos e trabalhamos juntos. E conhecemo-nos muito bem e por isso, não sei, acho que corre bem trabalharmos juntos e que chegamos a um sítio e a uma sonoridade com a qual eu estou muito contente.

Depois deste single vem aí um álbum?

Sim, vem um álbum.

É o que podemos esperar de ti para este 2024? E muitos concertos?

Sim, espero que sim. Concertos a anunciar.

O 2023, como é que foi? Chegaste a fazer muitos espetáculos.

Estiveste, por exemplo, no Festival F, e nos Jardins do Marquês, não foi?

Sim, não é que tenha tido imensos espetáculos, mas... tive em sítios grandes. Estive a tocar pela primeira vez em festivais. Toquei em dois, nos Jardins do Marquês e no Festival F. E foi giro e importante para mim e acho que aprendi muito porque na realidade eu só tinha nesse momento lançado três singles, ou seja, claro que o meu concerto tinha muitas músicas que ainda não saíram e foi giro para, "entre aspas", testar algumas das canções e fiquei a perceber muitas coisas. Por exemplo, havia algumas músicas que eu não estava a pensar pôr no disco e que depois percebi que eram as favoritas quando realmente fui tocar para o público e estas coisas às vezes nós achamos que sabemos o que é que o público vai gostar mais ou menos, mas depois só em concerto é que percebemos e também é muito bom rodar as canções. Houve muita coisa que eu percebi que queria, por exemplo, produzir de uma certa maneira, ou seja, eu acho que o facto de eu ter estado a tocar o disco antes dele sair ao vivo, beneficiou o disco que agora está gravado.

Os próximos tempos como é que vão ser? Vem um álbum ou antes do álbum ainda vamos ter alguns singles?

Ainda vamos ter alguns singles, porque o "Tatuagens", que é este single que lancei agora, faz parte de uma trilogia. Porque lá está, sou do storytelling, gosto de contar histórias. E estes três singles, que é o "Tatuagens", "Última Vez" e "Promessas", contam uma só história. E tem três videoclipes que também contam só uma história. Então eu vejo assim cada um quase como um capítulo desta história e depois o disco, que é a história completa. Já está tudo planeado, já está tudo gravado. E temos dois singles que ainda vêm, que é a continuação da história deste "Tatuagens". E eu gostei muito de fazer estes vídeos também, agora um à parte, porque lá está como eu estudei Ciências da Comunicação e especializei-me em Cinema, Storytelling, como falámos. Foi muito giro, porque eu nestes vídeos estive mesmo muito envolvida em todos os detalhes, escrevi os guiões e andei a trocar ideias com o realizador. Escrevi mesmo os guiões e estive mesmo envolvida nos conceitos e nas ideias. Então eu sinto que estes vídeos acrescentam muito à canção também. E que é um trabalho, assim, audiovisual bastante complexo.

O DJ e produtor francês de renome mundial e produtor, DJ Snake une forças com o artista sensação Peso Pluma para o novo single, "Teka", que já está disponível. O single foi apresentado pela primeira vez durante o explosivo set de DJ Snake no Coachella, quando Peso Pluma se juntou ao palco para interpretar a canção ao vivo.

A dupla twocolors, grupo em ascensão de Berlim, está de volta com um novo single. A canção "Stereo" é um lançamento muito aguardado pelos fãs, feito em colaboração com o cantor e compositor irlandês, Roe Byrne. Lançado com o selo da Virgin Records, "Stereo" é uma fusão de talento e inovação, combinando as melodias eletrónicas estimulantes dos ...

A banda de rock Kings of Leon, premiada nos Grammys, acaba de lançar "Nothing To Do", tema que faz parte do nono álbum de estúdio do grupo, "Can We Please Have Fun", que será editado a 10 de maio. A canção mergulha numa sonoridade pós-punk e com um vídeo, filmado inteiramente pelo vocalista Caleb Followill, mostra um lado mais intimista dos ...