Entrevista com os Iris

A banda IRIS foi criada em 1979, por quatro amigos que começaram a tocar em bailes na vila da Fuzeta. Aos poucos, foram ganhando dinheiro para comprar equipamento o que lhes permitiu desenvolver o seu estilo único. Ao longo dos anos, fizeram o circuito dos bailes, dos bares e uma serie de concertos um pouco por todo o Algarve e fora dele também, entretanto foram criando temas próprios, ganhando um público fiel, sendo actualmente difícil encontrar alguém no Algarve que não tenha ouvido falar deles.

Depois de várias modificações na estrutura da banda, apenas em 1994 surge aquela que seria a sua principal formação original , constituída por: Domingos Caetano nas guitarras e na voz principal, Chico Mesquita nas vozes e no baixo, Thierry Guerreiro na bateria e Ray Van Duyvenbode na guitarra acústica e nas vozes. É com esta formação que em 1995, após 16 anos de existência, surge a hipótese de gravar o primeiro disco de originais.

Assinam, em Abril de 1995 com a Vidisco, um contrato discográfico para fazerem 3 CD's que seria o inicio de uma longa carreira discográfica.

Após vários sucessos ao longo dos anos, em 2007, tornam-se na primeira banda de rock portuguesa a montar um espectáculo com uma orquestra e a gravar um CD e DVD durante esses espectáculo, com a ajuda do violinista búlgaro Emiliano Petrov, professor no Conservatório de Vila Real de Santo António, que reuniu o Essemble Petrov com músicos da Orquestra do Algarve, para esse efeito, chegando a actuar para 50.000 pessoas que foi um dos melhores momentos da carreira actual dos IRIS.

Em 2009 a banda lançou o álbum "Sueste" e só voltando ao estúdio no final de 2014 e após vários meses de trabalho no estúdio a banda prepara para lançar outro novo álbum intitulado IRIS "Ao Acaso" que é gravado e concluído em 2015.

No final de 2016 a banda gravou um DVD ao vivo no auditório municipal de Olhão intitulado "Baladas".

Em 2020 devido à pandemia os espetáculos foram interrompidos e durante a quarentena a banda gravou um vídeo do tema "Há sempre um amanhã" com a participação do espanhol Joaquim Cortes e o guitarrista Nuno Ferreira como um tema de esperança. Em seguida gravou uma versão do tema da Adelaide Ferreira "Dava Tudo" que chegou acompanhado do respetivo vídeo.

Durante o verão a banda sofreu algumas alterações com a saída do baterista Gustavo Gonçalves e com a morte do baixista Marinho Pires a banda foi reestruturada com a entrada dos membros Thierry Guerreiro e Francisco Mesquita que gravaram os 3 primeiros álbuns e fizeram parte do grande sucesso que a banda atingiu nos anos 90.

A banda vai comemorar os 25 anos do álbum "Vão dar banh'ó cão" de 1995 que inclui o tema "Oh mãe" , "Isolados do mundo" e "Há sempre um amanhã" com um espetáculo no Largo da Sé em Faro, no próximo dia  7 de setembro.