Entrevista com Ana Vilela

Cantora, compositora e youtuber. Definições que não são suficientes para definir a voz doce e a personalidade inquieta de Ana Vilela, o fenómeno do pop contemporâneo brasileiro que há quatro anos, sem imaginar no sucesso que se tornaria, lançou uma canção na internet que lhe deu o mundo embalado à velocidade de um título. A autora de " Trem-Bala" conquistou o público português mantendo-se no Top 50 das músicas mais ouvidas nas rádios nacionais onde também consta o seu tema " Promete". Nós fomos tentar descobrir qual a fórmula para este sucesso e agora contamos tudo!

- Ainda és muito jovem mas a tua música já atavessou o Atlântico. Qual a sensação?
- Eu sinto-me muito honrada! A música é o meu sonho desde criança. Eu sempre gostei de cantar e ouvir música, olhar para outros artistas e querer ser como eles. É muito louca esta sensação de ver a minha música chegando noutro continente, atravesar o oceano... e Portugal me recebe sempre tão maravilhosamente bem e eu sou muito feliz por ter chegado aí e ter alcançado as pessoas com o meu trabalho e com a minha música. 

- Quando e como é que sentiste que era o momento de fazeres da música o teu full-time?
- Na verdade aconteceu tudo de uma vez. " Trem- Bala" estourou e foi uma decisão que tive de tomar na hora. Eu acordei e tinha 100 mil views na música e eu falei: "Ok eu quero fazer isso e este é o momento! Eu sempre quis fazer isto, é o meu sonho!" E então foi meio que sem pensar. 

- Imaginaste que " Trem Bala" te iria dar uma nomeação para os Grammys?
- Não, jamais imaginei. De jeito nenhum. Quando escrevi " Trem Bala" era um momento de muita introspeção, um momento muito particular para mim e eu escrevi para mim naquele momento e fiquei muito surpresa quando as pessoas se identificaram com o tema porque para mim era uma coisa tão específica, com um tema tão específico que jamais imaginei que as pessoas se fossem identificar assim. E chegar ao Grammy foi uma coisa muito louca...é um sonho de qualquer artista, é uma honra gigantesca e eu sou muito grata por isso. "Trem Bala" é de facto um presentão na minha vida! 

- Como surgiu a parceria com o David Carreira?
- O David entrou em contacto comigo, no ano passado e me propôs gravar o " Trem Bala" para Portugal e eu achei incrível a ideia. Eu gosto muito do trabalho dele. O David é um menino muito especial, muito iluminado e ele foi super gentil e atencioso comigo, todo o tempo que estive aí e eu sou muito feliz por ter feito esta parceria porque me ajudou muito aí em Portugal, a chegar e alcançar as pessoas e só tenho muito a agradecer ao David, com certeza!

- O que é que mais te impressionou no cantor português?
- Além de ele ser um menino muito bonito (risos) ele é um menino muito dócil, muito educado e muito "príncipe encantado". Ele é muito querido. Só tenho elogios para o David. 

- Para além do David Carreira já cantaste com mais algum cantor português?
- Mesmo no comecinho da minha carreira, eu fui cantar no Festival das Flores aqui em Sta. Catarina, no Brasil, e o Nuno da Câmara Pereira estava a cantar lá e a gente acabou cantando juntos e foi um momento muito bonito. Me marcou muito. Ele também foi super fofo, super queridíssimo comigo! 

- Há mais algum com quem gostasses de fazer um dueto?
- Tem um featuring que eu acho que vai acontecer muito em breve. A gente quer que aconteça muito em breve! É obvio que esta situação da pandemia acabou por nos impedir de fazer isto mais cedo mas eu e os meninos dos Vai e Vem temos conversado sobre produzir alguma coisa juntos e acho que vai sair muito em breve para vocês.

- Como vês o mercado da música em Portugal?
- Eu vejo como um mercado que recebe muito bem a música brasileira e me recebeu de portas abertas e fico muito feliz por ter aberto essas portas pois, afinal de contas, a música portuguesa tem uma tradição muito forte e é muito bonito, para mim, entrar no vosso país e fazer a minha música ser ouvida. 

- Como te caracterizas musicalmente?
- Essa pergunta é sempre muito difícil de responder. Eu oiço de tudo, as minhas referências são muitas mas, acho que eu me encaixo entre MPB, pop....depende. (risos) 

- Para além de " Trem Bala", também " Promete" tem estado no top 50 das músicas mais tocadas nas rádios, em Portugal. Como é que vês esta evolução enquanto artista?
- Para mim, o que tem acontecido é muito lindo. Estar no top 50 das músicas mais tocadas de um outro país, atravessar um oceano e além disso, ainda levar duas músicas para o top 50 é de facto uma conquista incrível e eu só tenho a agradecer ao meu público português que é tão incrível e me apoia tanto...e eu sou muito, muito grata. 

- Como tem sido o feedback ao teu tema " Promete"? Estavas à espera?
- " Promete" é uma música muito sincera, vem muito do meu coração. A maioria das minhas músicas são assim: eu escrevo sobre uma estória muito profunda para mim e então eu não tenho a expectativa de receber este feedback positivo mas, graças a Deus, tem sido incrível. Esta era uma música de gaveta e acabou entrando nos últimos cinco minutos para a gente definir o disco. Eu amo " Promete", amo o quanto significa para mim, o quanto é profunda e só tenho gratidão por esse feedback positivo. Tantas mães mandando mensagem para mim, tantos irmãos e irmãs mais velhas...é muito bonito ver que as pessoas se identificam. 

- Sendo tu também compositora, durante esta quarentena, conseguiste escrever alguns temas para lançar em breve?
- Deu para escrever sim. Eu compus duas ou três músicas durante a quarentena mas, o meu ritmo diminuiu muito. Eu acho que esta quarentena deu uma bloqueada, emocionalmente falando, em todo o mundo e eu fiquei um pouco mais reservada com a minha família mas eu tenho tentado compor sim e saíram algumas coisas. 

- Agora que os grandes espetáculos estão temporariamente e, devido ao Covid-19, em stand by, quais são os teus objetivos para os próximos meses?
- Nós temo-nos focado muito em conteúdo digital. Então, enquanto a gente não pode voltar para a estrada, não pode voltar a fazer shows, voltar a sair e produzir como antes, eu tenho tentado me conectar mais com o meu público das redes sociais, produzir mais conteúdo. Tenho feito bastantes lives e acho que o projeto vai continuar assim até tudo isto passar. Acho que é a forma que a gente tem de ajudar: continuar a produzir conteúdo e não parar com a música que é o mais importante. 

- O que é que ainda te falta alcançar?
- Ahh essa pergunta é muito dificil responder...eu tenho 22 anos ainda e muita coisa pela frente. A minha carreira está só a começar e eu quero alcançar muita coisa ainda. Há muitos lugares que eu ainda não fiz show, tem muitas áreas artísticas que eu não conheço, que eu ainda não explorei. Eu tenho vontade de fazer muita coisa, tenho vontade de trabalhar mais com a internet, de estar mais presente na direção dos meus videoclipes...muita coisa ainda. 

- És certamente uma inspiração para os jovens que também sonham com uma carreira na música. Se pudesses, que conselhos darias a estes jovens?
- Acho que por mais que pareça piegas eu acho que é nunca desistir do sonho que se tem. É muito clichê de falar mas é a realidade. Eu falo que nós somos as únicas pessoas que podem destruir os nossos sonhos e nós não podemos desistir nunca e trabalhar muito também, óbvio! Tem de haver um esforço e não desistir do sonho nunca! 

- Que mais consideras importante dizer/partilhar com o público para que te fique a conhecer melhor?
- Como eu componho com o coração, com alma, não tem maneira de me conhecer melhor do que conhecer o meu trabalho, a minha arte. Então, queria convidar todo o mundo que conhece " Trem Bala" e que conhece " Promete", que venha conhecer o resto pois é um trabalho com muito carinho, muito amor e eu espero que todo o mundo se identifique e goste porque eu quero voltar a Portugal, muitas vezes ainda!

©Grupo Chiado

Publicidade