O JAZZ DE SASSETTI - 24 Jun - Grande Auditório do CCB

19-06-2014 00:05

O JAZZ DE SASSETTI

por João Paulo Esteves da Silva

e Orquestra de Jazz do Hot Clube de Portugal

com arranjos de Filipe Melo, Daniel Bernardes e Iuri Gaspar  

 

CCB . 24 Junho . 21h . Grande Auditório

O JAZZ DE SASSETTI

Por culpa das imagens e do cinema, a música de Bernardo Sassetti tornou-se progressivamente uma sucessão de notas que acontecia ao silêncio, por cima do silêncio, em respeito ao silêncio. As suas composições foram nascendo, uma após outra, de uma sensibilidade extrema, como se tendessem para o nada. Mas o nada é, naturalmente, um engano. Porque o nada acentua tudo: cada nota sai engrandecida, ampliada, desamparada. Como um gesto largo em que a beleza está na fragilidade e na exposição, nessa coragem de vir para a frente, desnuda e crua, e deixar-se ouvir recortada ali mesmo, ao lado de uma imensa penumbra a que chamamos silêncio.

 

É nesse reportório que encontramos os temas hoje interpretados a solo por João Paulo Esteves da Silva, recolhidos nos álbuns Motion, Ascent, Indigo e Nocturno, gravados originalmente a solo, em trio ou em trio aumentado. Mas porque a diversidade autoral de Bernardo Sassetti está muito longe de se esgotar nesta sua via autoral, esta noite de aniversário dá-nos ainda a ouvir “Pescaria”, a sua única composição para o formato de big band, que juntará João Paulo Esteves da Silva à Orquestra de Jazz do Hot Clube de Portugal. Em seguida, o pianista sai de cena e a Orquestra é levada pela mão dos músicos Filipe Melo, Daniel Bernardes e Iuri Gaspar levados pela mão de Sassetti. Porque a missão da Casa Bernardo Sassetti é a de contrariar o silêncio e propagar esta música o mais possível. Porque, na verdade, o silêncio só é verdadeiramente belo se estiver rodeado de muita gente.

 

A Casa Bernardo Sassetti é uma associação cultural sem fins lucrativos, criada em Setembro de 2012, que nasceu como resposta ao vazio deixado pelo desaparecimento prematuro do artista Bernardo Sassetti.

Tem por missão catalogar, conservar, estudar, editar  e divulgar o trabalho mais conhecido e também o trabalho inédito do Artista. É sua intenção agilizar,  desta forma,  o acesso dos profissionais da música e do público em geral ao vasto espólio disponível.

Foto: Pedro Cunha