FESTIVAL DE JAZZ DE GUIMARÃES comemora 25ª edição, de 05 a 19 de novembro

07-09-2016 12:45

Entre os dias 05 e 19 de novembro, o Guimarães Jazz comemora a sua 25ª edição. Cumprindo vinte e cinco anos de um percurso marcado por uma reconhecida coerência e integridade artística, o Guimarães Jazz apresenta em 2016 um programa com os olhos no futuro e empenhado sobretudo no desvendar de horizontes profícuos para o jazz contemporâneo.

 

A efeméride que neste ano se celebra, apesar de importante do ponto de vista simbólico, não deve, no entanto, ser usada como pretexto para nos desviarmos do seu aspeto mais fundamental – a noção de que existe um espaço temporal intermédio entre o ponto de partida e o ponto de chegada no qual se desenvolveu um trabalho difícil mas consistente que permitiu que, um quarto de século após a sua edição fundadora, o Guimarães Jazz esteja hoje em posição de reivindicar para si o estatuto de festival de referência no panorama musical português, e que a construção do seu futuro é a sua tarefa mais urgente.

 

O traço mais distintivo do alinhamento apresentado nesta sua 25ª edição será, porventura, o facto de o festival não ceder à tentação da autocelebrarão, optando antes por focar a sua atenção no novo jazz contemporâneo, representado por um conjunto de projetos e músicos emergentes que, embora não enquadrados em qualquer tendência estilística, acrescentam ao jazz vitalidade, dinâmicas, energia rítmica e multidirecionalidade, cruzando com naturalidade e fluidez diversos idiomas musicais.

 

O saxofonista de ascendência indiana Rudresh Mahanthappa, o trompetista norte-americano Ambrose Akinmusire (que Steve Coleman recrutou para os seus Five Elements), ambos considerados dois dos melhores músicos de 2015 pela prestigiada revista Downbeat, e o saxofonista Donny McCaslin (o líder da banda que gravou Blackstar, o último álbum editado em vida por David Bowie, acompanhado por alguns dos instrumentistas que fizeram parte dessa mesma banda) constituem, por isso, momentos fortes de um cartaz onde sobressai a grande juventude dos músicos envolvidos, algo evidente também no quarteto do baterista Matt Wilson, no qual se incluem o trompetista Kirk Knuffke e o saxofonista Jeff Lederer, e no septeto da flautista Jamie Baum, que estará responsável pelas jam sessions e workshops, atuando ao lado de uma formação composta por um conjunto notável de jovens músicos da cena jazzística norte-americana, bem como por três instrumentistas de jazz polacos.

 

O regresso da Liberation Music Orchestra (fundada pelo já falecido Charlie Haden, que esteve presente no festival em 2006, e agora liderada pela pianista Carla Bley) é o grande projeto “histórico” do jazz presente nesta edição do Guimarães Jazz, cujo alinhamento inclui também o San Francisco Jazz Collective, composto por alguns dos mais reputados músicos do jazz atual, nomeadamente David Sánchez, Miguel Zénon, Robin Eubanks e Matt Penman, entre outros. A terceira edição do projeto de parceria entre o festival e a Porta-Jazz terá como convidado principal o saxofonista João Mortágua, que se apresentará ao lado de outros jovens músicos europeus, e contará com a colaboração do artista plástico Hernâni Reis Baptista.

 

Os vinte e cinco anos do Guimarães Jazz serão assinalados com um concerto inaugural no dia 05 de novembro dirigido pelo compositor português Marco Barroso, liderando uma formação alargada que incluiu a sua Big Band LUME (que tem percorrido um trajeto ascendente de afirmação no panorama jazzístico português e europeu), a Banda da Sociedade Musical de Pevidém e o Coro BJazz da Escola de Jazz do Convívio, um projeto que tem como objetivo principal estabelecer vasos comunicantes entre o festival e a comunidade local.

 

Será também lançado um livro de síntese da história do festival, pensado como um exercício de homenagem aos músicos e ao público que participou na sua construção, no qual se apresenta uma perspetiva que se pretende factual e objetiva do percurso trilhado pelo Guimarães Jazz desde o momento da sua fundação até ao presente.

 

Os bilhetes para os concertos do Guimarães Jazz 2016 já se encontram à venda, podendo ser adquiridos na bilheteira do Centro Cultural Vila Flor, da Plataforma das Artes e da Criatividade, nas Lojas Fnac, El Corte Inglés e Worten, e via online em www.ccvf.pt e oficina.bol.pt.

 

PROGRAMA:

 

SÁBADO 05 NOVEMBRO

CCVF / GRANDE AUDITÓRIO / 22H00

LUME + Banda Musical de Pevidém + BJazz (Convívio Jazz Choir)

 

QUINTA 10 NOVEMBRO

CCVF / GRANDE AUDITÓRIO / 22H00

SFJAZZ Collective: The Music of Miles Davis & Original Compositions

 

SEXTA 11 NOVEMBRO

CCVF / GRANDE AUDITÓRIO / 22H00

Matt Wilson Quartet

 

SÁBADO 12 NOVEMBRO

CCVF / PEQUENO AUDITÓRIO / 17H00

Quatro a Zero

 

SÁBADO 12 NOVEMBRO

CCVF / GRANDE AUDITÓRIO / 22H00

Rudresh Mahanthappa Bird Calls

 

DOMINGO 13 NOVEMBRO

CCVF / GRANDE AUDITÓRIO / 17H00

Big Band e Ensemble de Cordas da ESMAE

 

DOMINGO 13 NOVEMBRO

PAC / BLACK / 22H00

Projeto Guimarães Jazz / Porta-Jazz

 

QUARTA 16 NOVEMBRO

CCVF / GRANDE AUDITÓRIO / 22H00

The Jamie Baum American-Polish Septet

 

QUINTA 17 NOVEMBRO

CCVF / GRANDE AUDITÓRIO / 22H00

Ambrose Akinmusire Quartet

 

SEXTA 18 NOVEMBRO

CCVF / GRANDE AUDITÓRIO / 22H00

Donny McCaslin Quartet

 

SÁBADO 19 NOVEMBRO

CCVF / PEQUENO AUDITÓRIO / 17H00

Adam Bałdych & Helge Lien Trio “Bridges”

 

SÁBADO 19 NOVEMBRO

CCVF / GRANDE AUDITÓRIO / 22H00

Charlie Haden´s Liberation Music Orchestra, com direção de Carla Bley