DEAD COMBO :: O Gangster e o Cangalheiro por terras algarvias

04-06-2018 20:28

Na passada sexta-feira, os Dead Combo atuaram pela quinta vez no espaço de duas semanas no Algarve. Desta feita, Pedro Gonçalves e Tó Trips, demonstraram em Porches, no Craft Beer Fest, o porquê de serem um dos projetos musicais com mais interesse a nível mundial.

Perante uma casa cheia, e só não foi ainda mais cheia, devido às enormes filas para os convivas puderem comer e beber. Impedindo por exemplo, este vosso escriba de apreciar as carnes e a dita cerveja que tinha o seu lançamento para essa noite. Estes concertos dos Dead Combo, inseridos na divulgação e promoção do seu novo trabalho, Odeon Hotel, trouxe-nos alguma da fina nata dos nossos músicos nacionais. Desta vez fizeram-se acompanhar, como é aliás habito, pelo brilhante baterista Alexandre Frazão, pelo contrabaixista António Quintino e pelo saxofonista dos Xutos & Pontapés, Gui.

Se o dia foi das crianças, então a noite foi para os adultos. Musicalmente foi literalmente uma viagem sonora pelos trabalhos originais da banda, o que é o mesmo que dizer que não houve a prisão a um género, a um ritmo, a uma cadência. As diversas influências, oriundas do Fado, do Jazz, do Rock, da Salsa, dos Westerns, etc, etc, estiveram presentes, percorrendo os bonitos jardins do local. Reféns houve vários(as), nomeadamente a turbe dançante, inquieta, bem disposta, seguindo atenciosamente a banda a cada acorde, a cada nota. No final, uma senhora aproximou-se da banda com um pedido. Ela e o marido faziam 16 anos de casados. No regresso do encore, Tó Trips e Pedro Gonçalves dedicam-lhe “Miúdas e Motas”. O casal agarra-se, dança e beija-se, enquanto a audiência igualmente dança e bate palmas. A banda agradece e despede-se até à próxima. E nós também! Até porque queremos mais.

Mais fotos no FACEBOOK

Reportagem: Rolando Rebelo | Ricardo Coelho