CLÃ e NÁSTIO MOSQUITO encerram WestWay Lab Festival em Guimarães

15-04-2014 10:37

Após duas semanas de intenso espírito criativo, o WestWay Lab Festival prossegue em grande forma até 19 de abril. O programa para a última semana do festival reserva ainda residências artísticas, talks, showcases, networking, debates, workshops, keynote speeches e os concertos dos Clã e Nástio Mosquito.

 

Assim, no próximo sábado (19 de abril), último dia do WestWay Lab Festival 1.0, os Clã rumam pelas 22h00 ao Grande Auditório do CCVF para apresentar o novo disco da banda, “Corrente”. É o regresso dos Clã aos palcos, seu elemento natural, onde sabemos que iremos encontrar o rigor, a irreverência e a energia desta banda, reconhecida pela excelência das suas apresentações ao vivo. Mas é também o regresso dos Clã com novas canções, feitas em colaboração com os seus cúmplices Carlos Tê, Sérgio Godinho, Arnaldo Antunes, Regina Guimarães e John Ulhoa e ainda com os novos parceiros, Nuno Prata e Samuel Úria. Neste novo trabalho, os Clã voltam a mostrar o seu enorme prazer na construção de canções e o desejo de explorar novos caminhos e sonoridades.

 

A encerrar o primeiro momento do WestWay Lab Festival, Nástio Mosquito revela o seu álbum de estreia à meia-noite no Café Concerto, também no CCVF. “Se Eu Fosse Angolano”, editado em Portugal no passado mês de março, expõe a faceta musical do artista angolano. O disco é um convite à reflexão do que é a Angola plural, onde o campo e a cidade se redefinem, onde a sociedade contemporânea toma conta da realidade urbana enquanto a nação se reinventa. Natural do Huambo, onde nasceu em 1981, Nástio Mosquito é um artista muito associado às artes plásticas com exposições um pouco por todo o mundo. No entanto, é na música que Nástio dá asas à sua criatividade e onde se sente realmente livre, usando a palavra como guia. No final da atuação de Nástio Mosquito, o festival fecha com um DJ set no Café Concerto protagonizado por Jorge Caiado, jovem produtor que frequentou a Red Bull Music Academy 2011 em Madrid.

 

Ao longo da semana, um novo conjunto de artistas regionais, nacionais e internacionais estarão em residência no Centro de Criação de Candoso. Daqui surgirão novos cruzamentos, com direito a diálogos, arte e interculturalidade, constituindo formações musicais que, após o período em residência, apresentarão o resultado do trabalho desenvolvido.

 

Esta quinta e sexta-feira, os finais das tardes no Centro Histórico de Guimarães voltam a convidar à conversa (talks) em ambientes informais, juntando e envolvendo os artistas em residência e a comunidade local. Os pontos de encontro serão a Casa Amarela (17 abril) e o Tio Júlio (18 abril), sempre às 18h00, antecedendo os showcases da noite na praça de Couros. Assim, nestes mesmos dias, o novo palco do renovado Bairro de Couros servirá de sala de estar para a apresentação do trabalho desenvolvido em contexto, onde serão apresentados todos os projetos criados, sempre às 22h00.

 

À semelhança da semana passada, a manhã de sexta-feira (18 de abril) é reservada a uma sessão de Networking, com início marcado para as 10h00 na sala de conferências da Plataforma das Artes e da Criatividade (PAC). Este espaço acolherá todos os músicos e participantes do WestWay Lab Festival, bem como responsáveis pelas redes e estruturas internacionais estratégicas, para conhecimento da cidade, do programa e seu potencial, com o objetivo de criar rede de contactos bem como dar início à integração na indústria internacional, de forma a potenciar e colocar em novos mercados, artistas emergentes identificados no decorrer deste grande evento. Nessa sessão, a AMAEI – Associação de Músicos Artistas e Editores Independentes convidará alguém muito especial, Charlie Phillips, da World Independent Network.

 

Também no mesmo local, o dia seguinte (19 de abril) será inteiramente dedicado ao conhecimento. Debates, workshops e keynote speeches, entre as 10h00 e as 17h30, servirão de ponto de partida para a criação de plataformas de reflexão sobre o papel da tecnologia, novos media e da criatividade no desenvolvimento económico e social dos lugares, com os contributos de personalidades como o grande Peter Jenner (manager de Pink Floyd, The Clash, Ian Dury e Billy Bragg, entre muitos outros), numa reflexão à volta da era do “streaming”.

 

No seguimento deste WSTWY 1.0, com três semanas de criação intensiva em residência com apresentação de resultados em formato showcase, concertos, talks, criação de vídeo e todo um programa dedicado ao conhecimento, seguir-se-ão dois outros momentos distintos no âmbito deste projeto: WSTWY 2.0 (09, 10 e 11 de maio e 13, 14 e 15 de junho), uma extensão destas atividades no sentido de fomentar uma nova classe criativa na região, com ações de formação, informação, sensibilização e educação criativa; WSTWY 3.0 (04 e 05 de julho), dedicado à fruição por todos os públicos dos resultados de todo o trabalho desenvolvido, consubstanciando-se numa grande mostra cultural, com apresentação de novas produções e cruzamentos artísticos.

 

Os bilhetes para o concerto dos Clã têm o valor de 10 ou 7,5 euros c/desconto. Já para assistir ao concerto de Nástio Mosquito, os ingressos custam 3 euros. Os bilhetes podem ser adquiridos nas bilheteiras do Centro Cultural Vila Flor e da Plataforma das Artes e da Criatividade, bem como em www.ccvf.pt, lojas Fnac, El Corte Inglés, Worten, entre outros locais. Todas as restantes atividades do festival são de entrada livre.

WestWay Lab Festival Guimarães Clã