ALGODÃO em Digressão

06-02-2013 19:47

Numa altura em que os concertos passam cada vez mais por uma noção de espetáculo algo circense do que pela partilha da música, ALGODÃO propõe-nos actuações onde a proximidade do público e a cumplicidade que daí advém são altamente privilegiadas. 

Aqui não há espaço para muita distração. Há a entrega de um trio de músicos com Carlos Nobre (o aparentemente eterno “Pacman dos Da Weasel") à cabeça, de alma e entranhas viradas do avesso - não porque essa seja uma opção calculada mas porque é o único caminho que o letrista/vocalista consegue trilhar, por desconfortável que aquele se possa tornar. 

Olhos nos olhos. Há poesia elevada e prosa de sarjeta. Há a obsessão pela mulher, sempre. Há o contar de histórias não só dentro das canções como nos espaços entre as mesmas. Como num café, à noite, entre amigos. Há a simplicidade clássica da voz acompanhada pela viola acústica e o piano mas também a elaborada programação eletrónica, sintetizadores agressivos e guitarras sujas. Com dois discos na bagagem - “Uma Falaciosa Noção de Intimidade” e “A Gramática Da Paixão Dramática”, Carlos Nobre (voz), Gil Pulido (Piano, Sintetizadores) eNelson Correia (Guitarra, Coros) prometem concertos particularmente intensos nas pequenas salas e auditórios onde irão tocar em 2013. 

De olhos nos olhos e microfone no coração, com alguma manha mas sem truques até porque, como se sabe, O ALGODÃO NÃO ENGANA.