MIGUEL REBELO "O Nosso Fado Hoje é do Mundo" nas lojas a partir de 14 de Fevereiro

30-01-2013 15:16

“O nosso Fado hoje é do Mundo”. Assim se chama o novo CD de Miguel Rebelo, que estará nas lojas a partir de 14 de Fevereiro e com o qual pretende assinalar o primeiro aniversário da declaração, pela UNESCO, do Fado como Património Cultural Imaterial da Humanidade.

 

Nele podemos ouvir 15 fados: sete novos fados – seis, por si, compostos e um outro com a colaboração de Marco Rodrigues e as palavras de Rui Rocha, que resultou numa bonita “balada”, cantada em dueto com a fadista Ana Laíns – e oito novas interpretações de fados bem conhecidos – quatro “tradicionais” e quatro “musicados” –  de autores e compositores, nomes maiores do Fado e da Música Portuguesa.

 

Em “Alfabeto Fadista”, Miguel Rebelo homenageia Carlos do Carmo, num tema por este gravado há mais de 20 anos e que aqui ganha uma “nova vida”, num inédito “quinteto” de vozes, para o qual convidou o consagrado Jorge Fernando e os fadistas da “nova geração” Marco Rodrigues, Pedro Moutinho e Ângelo Freire, que também fez o arranjo musical.

 

Em “Oiça lá, ó Sr. Vinho”, um dos fados imortalizados por Amália, o fadista, invoca e recria, num arranjo seu, um ambiente alegre, num “fado bailado” em que a presença das vozes masculinas, nos coros, é mais um instrumento.

 

Para acompanhar a voz de Miguel Rebelo estão, tal como já havia acontecido no seu último CD, “Quem foi que te fez Fado?” (2011), Jorge Fernando à viola e Custódio Castelo na guitarra portuguesa, Filipe Larsen no baixo acústico (prémio de melhor baixista do ano 2012 pela Fundação Amália) e ainda Manuel Alves Jorge num tão envolvente acordeão.

 

Rui Rocha, amigo de infância e “cúmplice” de Miguel Rebelo desde o projecto “Canto do Vigário”, assina as letras de nove fados, sendo quatro para fados tradicionais e as restantes para fados originais. O tema que dá nome ao CD – O nosso Fado hoje é do Mundo – é também um original de Miguel Rebelo, com letra de Rogério Oliveira e Mário Fernandes, que “conta” uma história do fado, desde o seu nascimento nas “tascas e esquinas” de Lisboa, até ao seu reconhecimento como expressão maior da cultura de um povo. 

Miguel Rebelo Fado Mundo